terça-feira, 1 de setembro de 2009

Escolas de Contabilidade - Aziendalista

Escola Aziendalista

Cerboni e Besta dirigiram seus estudos ao campo das aziendas, acrescentando a organização, administração e o controle, à parte científica da contabilidade.

Gino Zappa, como máximo representante desta escola, colocou num só plano a Gestão, a Organização e a Contabilidade, não admitindo o estudo científico da contabilidade sem o conhecimento concomitante das doutrinas que, ao seu lado, formam a economia aziendal.

A doutrina da gestão está voltada para a definição de um conjunto de princípios destinados a servir de instrumento de auxílio à ação da gestão.

A doutrina da organização está direcionada para o estudo da constituição e harmonização do organismo pessoal da entidade.

A contabilidade tem como função a demonstração dos resultados da gestão, através da observação adequada ao estudo quantitativo dos fenômenos empresariais.

Outro ponto importante do pensamento doutrinário de Zappa foi o de desenvolver um sistema teórico contábil a partir do resultado. Segundo ele, a contabilidade deveria ocupar-se da demonstração dos fatos da gestão e não se resumir apenas a um simples método de registro. Para que esta demonstração fosse possível, todos os fatos a demonstrar deveriam ser conhecidos. Tais fatos são fenômenos econômicos que, normalmente, fazem parte de um fluxo de trocas monetárias entre a entidade e as economias externas.

A vida econômica e financeira da entidade somente será plenamente conhecida a partir da total revelação destes fatos pela contabilidade. A finalidade desta demonstração é conhecer os custos e receitas provenientes da gestão empresarial, ou seja, conhecer o resultado.

Na concepção de Zappa, o resultado é definido como o acréscimo ou decréscimo sofrido pelo capital em determinado período administrativo, como conseqüência das operações da gestão. O resultado e o capital representam duas diferentes visões do mesmo fenômeno. O capital é a representação do conjunto de elementos do ativo e do passivo que irão gerar o resultado da entidade, ao passo que o resultado é a representação das mudanças dos componentes patrimoniais em um determinado período.

Conhecer periodicamente o resultado do período é indispensável para a análise do desempenho da entidade e de seus dirigentes, o que levou Zappa a dedicar grande atenção a este aspecto em seus estudos. Para ele, a gestão de cada exercício, é influenciada positiva ou negativamente pelos acontecimentos que tiveram lugar em períodos anteriores e do que venha a ocorrer em períodos subsequentes.

Para Zappa tanto a separação exata dos resultados de vários exercícios como tentativa de determinar com exatidão os custos de produção, é uma utopia, já que existem operações em curso no fim do exercício e no início do próximo exercício, que colaboram com a formação do resultado, ou seja, operações que iniciaram em exercícios anteriores e operações que se encerrarão em períodos posteriores.

Pode-se resumir as contribuições desta escola para a comunicação contábil mencionando que para seus representantes:
1. A teoria contábil deveria ser capaz de interpretar os acontecimentos ligados a vida da entidade e demonstrar a formação do resultado e suas relações com os fatos administrativos e com todo o contexto em que a entidade está inserida.
2. O resultado era considerado o mais importante fenômeno econômico de uma entidade.
3. O conhecimento e demonstração do resultado da gestão empresarial representava o principal objetivo da contabilidade.
Os expoentes máximos desta escola foram Zappa e Fibonacci.

6 comentários:

  1. MUITOO BOAAA A MATERIA
    Estou fazendo um trabalho sobre essa escola e esse post me ajudou bastantee... PARABENS
    LUHH

    ResponderExcluir
  2. Muito boa a postagem, me ajudou bastante. Aliás, o blog tem me ajudado bastante... Virei frequentadora.

    ResponderExcluir
  3. vdd muito boa embora esteja precisando de algo sobre ceccherelli...

    ResponderExcluir
  4. MOÇO POSTA AS REFERÊNCIAS, ONDE VOCÊ LEU ISSO POR FAVOR NÉ

    ResponderExcluir
  5. SEM CITAÇÃO SEU TRABALHO NÃO É SEU, É PLÁGIO. E o pior é que mesmo o texto apresentando informações verdadeiras (li o livro do Schmidt, n lembro o ano) eu não posso usar no meu trabalhinho pois correria o risco de ser expulsa da faculdade, né? Vamos citar daqui pra frente? Que tal dar créditos aos autores e ser um pessoa mais ética? Não dói a mão anotar um(uns) nome(s) e o livro/artigo/revista de onde vc pegou a informação ao final do texto. Sim, pode responder,eu sempre ativo as notificações.

    ResponderExcluir